Abrir uma empresa é “fácil” comparado à dificuldade em se manter essa empresa aberta por muito tempo. É por isso que devemos conhecer a fundo a vida das grandes figuras na área dos negócios (e áreas relacionadas), pois temos muito o que aprender com elas. Uma dessas mentes geniais é, sem dúvida, a do CEO da Apple, Steve Jobs.

Jobs é considerado um gênio, mas sofre duras críticas pelo modo duro como trata os assuntos internos da empresa. A maior parte dos escritos sobre a sua vida foca nesse seu lado, expondo demissões, explosões de fúria e os modos que muitos consideram “inadequados”.

Pensando nisso, estudando a sua carreira e querendo mostrar ao mundo a genialidade por trás do “monstro”, Leander Kahney escreveu esse fantástico livro que expõe uma das biografias mais completas que eu vi sobre a vida de Jobs.

Informações gerais

a-cabeca-de-steve-jobs
Título: A Cabeça de Steve Jobs
Autor: Leander Kahney
Número de páginas: 263
Editora: Agir
ISBN: 9788522009770
Faixa de preço: R$13 a R$32

Clique aqui para comprar esse livro no Submarino

O que há de tão especial em Steve?

Na minha opinião (e aparentemente na do autor do livro também), o que torna Steve Jobs uma lenda é a forma como que ele consegue conquistar a confiança das pessoas ao seu redor, sejam grandes investidores dispostos a entregar seu rico dinheiro à ele, seja dos consumidores finais do produto que acabou de ser lançado.

Você já reparou na paixão com que Jobs apresenta seus produtos? Por trás das maravilhosas apresentações há uma série de instruções que devem ser seguidas a risca, nos mínimos detalhes. Um dos pontos do livro que fez o seu perfeccionismo mais me impressionar foi o relato dos bastidores da apresentação do primeiro iMac, em 1998.

“Jobs queria que o momento em que as máquinas deslizassem para fora da cortina fosse projetado em uma grande tela de vídeo que ficava por cima do palco. Os técnicos prepararam tudo, mas Jobs achava que a iluminação não estava fazendo justiça às máquinas translúcidas. Os iMacs tinham uma boa aparência no palco, mas perdiam a presença na tela de projeção. Jobs queria que as luzes fossem mais fortes e que fossem ligadas mais cedo. Ele diz ao produtor que tente outra vez. Falando em seu headset, o produtor passa as instruções à equipe dos bastidores. Os iMacs deslizam para trás da cortina e, quando é dado o sinal, deslizam novamente para fora.

Mas a iluminação ainda não está certa. Jobs vem correndo até a metade do corredor e desaba em uma cadeira, pendurando as pernas nas costas da cadeira em frente. ‘Vamos continuar fazendo até ficar bom, o.k.?’, determina ele.”

Esse é apenas um pequeno exemplo de como as (aparentes) pequenas coisas são afetadas pelo perfeccionismo de Jobs.

O conceito de design e a importância do foco

Uma das coisas que faz a Apple ser o que é, é o cuidado que a empresa tem com o design dos seus produtos. Ao contrário do que muitos podem pensar, design não significa apenas aparência. Significa ter cuidado com todos os diversos fatores que vão influenciar direta e indiretamente na experiência que o usuário terá ao utilizar os seus produtos.

Para alcançar essa excelência, o caminho escolhido foi o tortuoso caminho da simplicidade. Essa não é uma tarefa fácil para os designers e projetistas da empresa porque tornar um produto simples significa ter que frequentemente cortar várias funcionalidades/idéias boas, mas que tiram o foco inicial do produto. Significa também criar inúmeras sub-funcionalidades que são projetadas para rodar em plano de fundo, invisíveis aos olhos dos consumidores, para tornar as funcionalidades básicas mais intuitivas e mais fáceis de se usar.

O elitismo

O conceito elitista da Apple veio da obcessão de Jobs por ser o melhor e de ter as melhores coisas. Para ele, um grupo de poucas pessoas consegue dar conta de grandes (e importantes) projetos desde que essas pessoas sejam as melhores na sua área. E esse ponto de vista tem se mostrado extremanmente eficiente para a Apple. Eu gostaria que mais empresas deviam ter essa mentalidade…

Avaliação final

O objetivo desse livro é bem claro: mostrar a genialidade de Steve Jobs. Esse grande empreendedor merecia uma publicação que mostrasse a sua vida sem fazer sensacionalismo barato e esse livro cumpre bem esse papel.

  • Linguagem e narrativa: 8,5
  • Exemplos práticos: 9,0
  • Temas abordados: 9,5
  • Preço: 9,0
  • Média: 9,0

8 Responses

  1. Feco

    Está ai um livro que todos deviam ler. Muito boa a resenha!

  2. Tatiana T

    Oi Bernardo. Eu já estava com vontade de ler este livro, só pelo o que o Steve Jobs representa para todo mundo. Depois da sua resenha, fiquei com mais vontade ainda… está na minha lista de leitura.

    Publiquei um link para seu comentário no meu blog, ok?

    Abraços.

    Tatiana T.

  3. Gustavo

    Eu li este livro e, sinceramente, não recomendo para ninguém, já que o autor é mais um desses fanboyzinhos da apple e de Steve Jobs, e, obviamente, fecha os olhos para o lado ruim de Jobs. Eu uso Mac, mas não é por isso que vou virar fâ de um sujeito que só acha bom o que ele acha que é, fechando os olhos para os usuários.

    Minha opinião: livro para fâs e fãs-clubes.

    • Bernardo Pina

      Olá, Gustavo. Respeito sua opinião, mas eu também li esse livro e na minha opinião, ele não tem nenhum fanatismo. A idéia do livro, que deve ser captada por todos os nossos leitores, é de observar a genialidade de um empreendedor que levantou uma empreza do zero, saiu e quando voltou, a tirou da falência para transformá-la na bilionária Apple que conhecemos hoje.

      Não é qualquer um que conseguiria esse feito e que teria a visão de futuro que Steve Jobs tem. É por isso que recomendo fortemente a leitura para aqueles que querem ser ou que já são empreendedores.