Concluindo nossa série de textos sobre promessas de ano novo, vamos falar hoje sobre as duas metas dentro de “Sucesso profissional” no mapa mental de exemplo que colocamos no primeiro texto da série, metas essas que são inclusive bem interligadas. Afinal, tirando os ganhadores de grandes prêmios em dinheiro, nós, meros “mortais”, precisamos de um emprego com certa estabilidade e sucesso para garantir uma boa qualidade de vida.

Mas vamos com calma. Antes de mais nada, é bom lembrar que os pontos que destacamos dentro do tema “Sucesso profissional” foram:

  • Mudar de Emprego
  • Ganhar mais dinheiro

Repare que uma coisa não necessariamente implica na outra. Engana-se quem acha que mudar de emprego significa ganhar mais ou que para ganhar mais, é preciso mudar de emprego. É possível trocar de emprego visando sucesso profissional e ganhando menos, mas ao mesmo tempo tendo outras coisas que podem melhorar a sua qualidade de vida. Alguns exemplos de compensadores por um salário igual ou mais baixo seriam uma carga horária reduzida, um plano de carreira mais adequado, uma melhor localização física da empresa, novos desafios e melhores benefícios (planos de saúde, participação nos lucros da empresa, auxílios alimentação e transporte, etc.)

É interessante avaliar o seu objetivo principal com a mudança de emprego antes de procurar uma recolocação. Avalie os itens que não te satisfazem no seu emprego atual e liste os itens que você gostaria de ver no seu novo emprego. Lembre-se apenas de manter os pés no chão.

Direcionando-se

É muito importante procurar direcionar seu currículo ressaltando experiências condizentes aos cargos e empresas aos quais você deseja se candidatar. Procure conhecer bem as empresas para as quais você se candidata bem como as atribuições dos cargos almejados nas principais empresas do setor.

Não fique atirando para todos os lados. Não adianta querer, ao mesmo tempo, trabalhar no ramo administrativo de empresas alimentícias e em cargos técnicos de empresas de informática. Procure identificar a sua preferência e as chances de gostar do ambiente e atribuições do seu novo cargo são melhores.

Delimite uma faixa salarial compatível com as atribuições do cargo desejado e tenha esse valor em mente. Isso facilita na hora de buscar oportunidades e de responder questionamentos à respeito do salário desejado em entrevistas e pré-entrevistas de emprego. Para que você não escolha um valor fora da realidade, procure informações em sites de recolocação profissional, tal como a Catho ou o Curriculum. Nesses lugares é fácil obter informações sobre salários e benefícios praticados no mercado de trabalho.

E para finalizar esse tópico, tenha um currículo bem apresentado, sempre com informações verídicas sobre sua carreira e formação profissional. Invista em você.

Mudar de emprego nem sempre é a solução

É claro que é sempre bom mudar de emprego para mudar os ares e sentir uma diferença positiva no bolso, né? Mas como nem sempre isso é possível ou desejável, existem algumas coisas que podem ser feitas para ajudar a aumentar a renda. Uma delas é os trabalhos Free Lance.

Free Lance: Trabalhos autônomos prestados a empresas ou pessoas. É muito comum nas áreas de jornalismo, design, propaganda, web, TI, música. Todo profissional com visão pode encontrar nichos de mercado que permitam este tipo de prestação de serviço temporária. Eu mesma faço alguns trabalhos eventuais e posso dizer: dá um bom dinheiro e é experiência extra a ser mencionada e destacada no currículo.

Outra possibilidade é trabalhar com vendas diretas (aquelas de catálogos, sabe?) que podem render até 30% de comissão ou mesmo a criação e venda de um produto seu. São atividades que não precisam tomar muito do seu tempo e podem complementar significativamente a sua renda.

Novas aquisições

Nesse quesito, antes de qualquer coisa, é necessário que você entenda sua situação financeira. Crie uma planilha ou tabela com seus rendimentos e gastos, classifique-os em fixos, parcelados ou eventuais. Não faça isso exclusivamente para um mês, faça uma previsão de no mínimo um ano inteiro. Dessa forma você começa a visualizar o quanto de dinheiro você gasta, o quanto sobra e o quanto precisa economizar para suas aquisições de valores mais significativos.

Depois de saber quanto dinheiro você tem e terá nos próximos meses, aí sim você pode definir suas prioridades de aquisição. Um carro? Um apartamento? Uma reforma? Uma renovada no guarda-roupa? Para exemplificar, vamos supor que a sua prioridade máxima seja trocar o carro.

Após escolher o modelo, verifique – de acordo com o seu orçamento e a planilha que você montou – quanto da sua renda pode ser comprometido mensalmente para conseguir fazer a aquisição. A partir daí você tem várias decisões a tomar:

  1. Quer pagar a vista ou financiar?
  2. Se vai financiar, quer financiar quantos % do valor do carro?
  3. Tem algum dinheiro reserva para dar de entrada no financiamento?
  4. Quais os outros custos adicionais do carro?

Lembre-se que um carro gera gastos maiores do que apenas combustível e óleo. Será necessário arcar com impostos, seguro, manutenção, etc. Seu orçamento deve contemplar tudo isso antes da definição de quanto pode ser pago exclusivamente na aquisição do veículo.

Para clarear um pouco, digamos que você tem R$1.000,00 mensais livres para você gastar com o carro que você sonha. Nesses valor vamos separar R$400,00 para gasto com combustível e possíveis manutenções (troca de óleo, por exemplo). Ainda é necessário lembrar que anualmente você precisará pagar seguro obrigatório, IPVA e seu seguro. Vamos reservar R$150,00 por mês para isso?

Bom. Dos seus R$1.000,00 iniciais, sobraram R$450,00 para pagar o financiamento do seu carro, caso você queira financiá-lo. Será esse o valor que você poderá contar ao escolher o modelo que mais lhe agrade.

Em contrapartida, se você resolver economizar os R$1.000,00 mensais ao longo deste ano, com os R$12.000,00 acumulados até dezembro é possível comprar à vista um carro simples, com uns 6 a 8 anos de uso. Assim você tem seus R$1.000,00 mensais para combustível e manutenção (R$400,00), seguros e IPVA (R$150,00) e ainda sobra uma graninha para ir poupando para uma futura troca do carro.

O ponto chave aqui é que você deve escolher um bem que esteja dentro das suas possibilidades financeiras. Não adianta ter dinheiro para comprar apenas um carro popular nacional e comprar o último modelo importado, que irá acabar te gerando desgosto por você não conseguir mantê-lo. Aos poucos se chega ao nível em que comprar esse modelo não irá prejudicar ou deixar a sua carteira vazia quando você quiser colocar combustível para dar uma voltinha.

O assunto é extenso, mas acho que a idéia central dessa série de textos é que para melhorar nossas vidas, precisamos nos conhecer, conhecer nossas rotinas, nossa realidade e planejar as mudanças. Com metas organizadas e realistas podemos conquistar todos os nossos sonhos, só depende da nossa perseverança. Ainda dá tempo de transformar 2010.

Quem aceita o desafio?

(créditos da foto para SoHoMaven:flickr)

About The Author

Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade de Brasília (UnB), atua nas áreas de gestão da qualidade e gestão da informação desde 2006. Interesse em gerência de projetos, gestão do conhecimento, sistemas de gestão da qualidade, biblioteconomia, restauração de documentos e (claro!) livros e literatura. Muito abrangente? É o poder do profissional bibliotecário, que funciona de A a Z.

One Response