Muitos empresários com quem tenho conversado me contam histórias cheias de drama. Algumas parecem verdadeiras histórias de terror. “Nunca mais!” ou “Nem que me paguem!” não são expressões muito difíceis de ouvir. A verdade é que, principalmente o pequeno e médio empresário, pode se assustar com investimentos feitos em publicidade, ou porque os considera muito caros, ou porque não tem o conhecimento de como lidar com gráficas, emissoras de rádio, programadores de site, entre outros. Como, afinal, funciona isso tudo?

comunicacao-empresarial

 

O período dos investimentos

Dentre os muitos serviços de divulgação e publicidade que uma empresa pode contratar, a veiculação em meios de massa pode causar algumas confusões. As emissoras de rádio e de televisão, por exemplo, possuem uma série de procedimentos para contratação de veiculação. Quando o empresário possui uma agência de publicidade, ela dá conta de grande parte dessa burocracia quando credenciada para isso, contando, claro, com a aprovação do cliente. Quando não existe a agência, o que acontece, fatalmente, é o acúmulo de tarefas: o empresário precisa estar atento a esse contrato – e a todos os detalhes específicos – e continuar dando conta do que faz de principal, que é trabalhar para sua empresa!

O mês considerado como mês de veiculação para um canal de rádio ou TV, não é o período de 30 dias, e sim o mês corrente. Por exemplo, se você contrata o mês de março, sua propaganda vai estar no ar de 1º a 31 de março, e não de 1º de março a 1º de abril! Isso confunde muitas pessoas. Um empresário me contou que começou sua veiculação na última semana do mês, pensando que teria um contrato até a última semana do mês seguinte, quando na verdade, seu contrato acabou no fim da semana.

O que você espera do seu investimento?

O período em que é veiculado, a época do ano, o número de exemplares a ser impresso e a sua distribuição são alguns fatores que influenciam na decisão de como e onde anunciar a sua empresa. E claro, no resultado! A publicidade não é uma fórmula matemática, mas existem diversos índices e pesquisas capazes de medir o impacto, o alcance e o retorno que o investimento em publicidade pode trazer. Este retorno pode vir em vendas ou no aumento do número de novos clientes em determinado prazo, por exemplo. O importante é que se definam metas objetivas para que o investimento seja consciente. Somente dessa forma será possível traçar um planejamento de marketing eficaz e também condizente com a sua verba disponível para isso. Uma base de cálculo muito utilizada é a de destinar 2% do faturamento para publicidade.

Divulguei a minha empresa várias vezes e ainda assim não tive retorno.

Se a divulgação foi feita nos veículos concordantes com seu público alvo, em períodos estratégicos e com verba e periodicidade planejada, é hora de observar a qualidade da mensagem da sua propaganda (layout, texto, áudio, logomarca, etc). A mensagem varia de acordo com o veículo – o meio é a mensagem! – com o objetivo pretendido pela empresa, com a época do ano (por exemplo, é uma divulgação institucional ou promocional?), entre outros. Analisar essas variáveis e fechar na melhor mensagem é um trabalho cuidadosamente realizado pelo setor de criação da agência de publicidade.

Antes de apresentar o resultado ao cliente, diversas opções são testadas e contestadas. Muitas reprovações internas depois, o trabalho é apresentado ao cliente, que deve sempre ter em foco o seu público alvo. Muitas vezes, o dono da empresa não faz parte do público alvo! Um mercado popular, por exemplo, precisa agradar a clientes de classe econômica inferior à de seu proprietário! É outra realidade, outro ponto de vista, outra forma de se comunicar.

Cabe à agência ainda, selecionar os melhores fornecedores (produtoras de vídeo e áudio, gráficas, etc) para supervisionar o trabalho até o resultado final.

Pensar no todo

É preciso ter um pensamento global da estratégia de comunicação da sua empresa, com verba e objetivos determinados. Assim é possível pensar num planejamento de ações anual ou semestral, o que facilita também para negociar descontos e condições especiais de pagamento.

Claro que além dos casos apresentados, existem aqueles que não conhecem e mesmo assim já não gostam de divulgar sua empresa. Apresentam motivos como a exposição à fiscalização ou demais abordagens indesejadas que a exposição publicitária pode trazer. Podem também ter compartilhado o trauma de algum amigo empresário ou mesmo de puro preconceito, de idéias pré concebidas que imobilizam qualquer ação.

O fato é que, mesmo se a sua empresa é menor, ativar sua comunicação irá potencializar seus resultados. Tudo é feito de acordo com a realidade de cada um. A falta de planejamento e orientação profissional pode deixar tudo a perder. Afinal, você entende do seu negócio, e recorrer a quem possa te auxiliar em outras áreas faz parte do caminho para o sucesso.

4 Responses