Afinal, o que é melhor? Comprar um imóvel residencial ou alugar um? Essa pergunta ronda a cabeça de muita gente. Não é fácil comprar um imóvel, especialmente quando o local desejado é muito valorizado. Peguemos como exemplo o Plano Piloto em Brasília e a Barra da Tijuca no Rio de Janeiro. São dois lugares que dificilmente se encontra imóveis residenciais por menos de R$100.000,00 e não é qualquer um que pode pagar um valor desse, financiado ou não.

Antes de decidir entre o aluguel e a compra, temos que ter em mente algumas coisas que nos ajudarão no processo. Abaixo citamos alguns aspectos a serem observados na hora da decisão.

  1. Um imóvel residencial geralmente não gera lucro
    “Como assim? Comprei minha casa por 40 mil, hoje ela vale 50!” – Sim, é verdade. Mas se pararmos para reparar, provavelmente todas as casas ao redor tiveram valorização semelhante. Alguém que vende sua casa, provavelmente irá comprar outra casa (que também foi valorizada). Mas nem tudo está perdido. É possível melhorar a valorização da casa investindo nela (jardins, reformas, manutenções, etc.).
  2. Dinheiro gasto em aluguel não é dinheiro jogado fora
    O valor pago em um aluguel é sempre menor do que o valor da mensalidade de um financiamento de imóveis semelhantes (geralmente de 50 a 70% do valor). As vezes, para adiquirir o imóvel ideal é necessário que se pague um valor mensal bem maior do que o valor que podemos pagar. É aí que o aluguel começa a valer a pena.
  3. Dinheiro gasto em aluguel é dinheiro jogado fora
    Sim, também temos o caso em que aluguel é sim dinheiro jogado fora. É comum encontrar pessoas que gostariam de comprar imóveis que fogem ao orçamento, mas que não se importariam em morar numa casa um pouco menor (mais barata). Nesse caso, optar pelo aluguel é perda de dinheiro visto que seria possível comprar um imóvel menor e fazer patrimônio.

Se você é o tipo de pessoa que consegue guardar dinheiro, uma possibilidade é, ao invés de financiar um imóvel, aluga-lo e investir a diferença de valores das mensalidades. Ao final do prazo de financiamento, haverá um montante considerável de dinheiro guardado em um investimento, o que não aconteceria no caso do financiamento.

O blog Dinheirama fez um artigo interessantíssimo onde expõe a sua opinião, trazendo informações adicionais (e mais profissionais, financeiramente falando) sobre o assunto.

E você? Qual é a sua opinião?

About The Author

Empresário (Diretor de Operações da Data Power Team) e consultor de tecnologia da informação e comunicação digital, é o fundador e editor do blog Produzindo.net. Se dedica a essa atividade pela paixão que tem pelo lema que tomou para a sua vida: “aprender para ensinar”.

Related Posts

7 Responses

  1. Bernardo Pina

    Ops… Nadal, muito obrigado.

    Coisas que acontecem quando se resolve criar um post à uma da manhã depois de um dia estafante de trabalho e problemas. rs

  2. Michel

    Esse assunto é uma questão de preferência. Quem prefere pagar aluguel faz os cálculos para chegar à conclusão que isso é melhor. Quem quer morar em casa própria faz o cálculo inverso.
    Na verdade, é impossível definir porque a valorização do imóvel é imprevisível. E se o bairro se tornar perigoso? Bem, aí o imóvel pode se desvalorizar. Como calcular o que depende do futuro? Nem cartomante.
    Eu prefiro aluguel em função da liquidez, ninguém sabe o dia de amanhã. Vender um imóvel é dificílimo.

  3. Bernardo Pina

    O negócio é verificar as tendências de valorização do local. Geralmente a baixa de valorização de um local não se dá da noite para o dia. =)

  4. Wagner

    Ora, após aproximadamente 100 meses de aluguel,
    você jogou fora um imóvel………….
    Ou seja, se vc pagasse 100 prestações você teria de volta em forma de patrimonio.

  5. Simone Pereira

    Eu acredito que ter um imóvel é sempre bom!
    E hoje em dia se consegue prestações etá mais baratas que os aluguéis.
    Mas cada um sabe a sua real necessidade.