É muito difícil tomar a decisão entre comprar ou alugar um imóvel. Mas em muitos casos o aluguel se torna mais vantajoso, inclusive financeiramente.

O problema é que é incrivelmente difícil encontrar o imóvel perfeito para alugar. Aquele que se encaixa nas suas necessidades e que não traz consigo uma série de dores de cabeça.

A melhor forma de evitar dores de cabeça é investigar cada detalhe do imóvel e do proprietário, e para facilitar um pouco a sua vida, quero passar algumas dicas úteis a serem observadas na hora de alugar.

Primeiro passo: Perfil dos Moradores

Coloque em um papel ou em uma planilha o seu perfil de morador. Isso mesmo. Você vai começar todo o processo avaliando você mesmo e a sua família. Registre o número de pessoas e animais que moram com você. Quantos são casais, quantos adultos solteiros, quantas crianças, quantos adolescentes. Quantos são os animais, quantos e quais precisam de mais espaço e quantos podem viver tranquilamente em gaiolas ou aquários.

Liste também quais os bairros e locais mais freqüentados pela família, como o endereço das escolas e de trabalho. Identifique a rotina da família, incluindo quanto tempo as pessoas passam em casa. Todas essas informações são essenciais para o próximo passo.

Segundo passo: Perfil do Imóvel

Com base no perfil de sua família, faça a primeira decisão. Quer pagar quanto? Considere sua renda e todas as contas além do aluguel. Lembre-se que você de levar em consideração despesas de condomínio e provavelmente alguma eventual taxa extra. Tenha isso em mente na hora de definir sua margem para aluguel do imóvel.

Casa ou apartamento?

Casas no geral são mais arejadas, mais espaçosas, excelentes para famílias grandes e que passam um bom tempo no ambiente. Famílias com animais maiores, que precisam de espaço se adaptam melhor, porém são mais trabalhosas e podem gerar alguns gastos extras, já que a manutenção da área interna e externa devem ser bancadas por um único morador. Se a casa se localiza em um condomínio, lembre-se de que além das suas despesas você deve arcar com o rateio dos custos do condomínio.

Apartamentos são mais compactos, muito bons para famílias pequenas e que passam a maior parte do seu tempo fora do imóvel. Famílias com animais pequenos conseguem se adaptar bem. Apartamentos também podem ser econômicos, uma vez que a taxa de manutenção da área externa é rateada entre todos os moradores do prédio. Porém, lembre-se que este é um tipo de moradia que restringe sua liberdade e reduz sua privacidade. Se existirem idosos ou pessoas com dificuldade de locomoção na família, leve isso em consideração. Nem todos os edifícios possuem elevadores e acesso para portadores de necessidades especiais. E os que possuem, acabam aumentando o valor do aluguel em função disso.

Definido o tipo do imóvel, identifique a sua necessidade de área de lazer. Condomínios mais modernos costumam oferecer piscinas, quadras esportivas e até cinemas. Se você e sua família não costumam passar muito tempo no imóvel, desconsidere tudo isso e procure seu lazer em clubes ou parques. Essa escolha representa uma redução nas taxas de condomínio. Mesmo os condomínios de casas podem oferecer produtos e serviços que não são do seu interesse, por isso planeje bem a real utilidade desses serviços.

A quantidade de quartos do imóvel também é um fator importante a ser decidido. Analise quais pessoas da sua família devem dividir quartos e calcule o espaço vocês precisam. Identifique também se você pretende criar um escritório ou sala de televisão. Os quartos são sempre ótimas opções na hora de se criar estes ambientes.

Influenciado pelo valor que você está disposto a pagar, pela proximidade ao trabalho e escolas, você pode chegar a definição do bairro de sua preferência. Em alguns casos, vale a pena pagar mais e morar mais próximo ao trabalho. Você economiza combustível e se puder ir a pé ou de bicicleta para o trabalho, economiza também no estacionamento. A economia em um pode pagar a diferença do outro. Nem sempre o bairro onde o imóvel é mais caro tem um aluguel absurdo e inalcançável. Pesquise a faixa de preço em classificados de jornais, na internet e até com pessoas que moram nos bairros de seu interesse. Esteja aberto a morar em dois ou três bairros próximos do seu objetivo. Você pode se surpreender agradavelmente.

Terceiro passo: vá à caça!

Você já definiu seu perfil de imóvel e agora pode sair a campo! Pesquise diariamente nos classificados dos jornais de grande circulação. A internet também oferece serviços de classificados muito bons. É importante que você pesquise com verdadeiro interesse, assim vai perceber que os bons apartamentos são anunciados pouquíssimas vezes. Desconfie dos que estão muito abaixo da média de preço e muito acima também, mas não deixe de visitá-los. Mantenha-se atento. Visite também os apartamentos que estão anunciados há muito tempo. Constantemente as pessoas não alugam pelo preço ou algum problema que só poderia ser resolvido com reforma. Entre em contato com o proprietário e veja se ele está disposto a negociar.

Em alguns bairros pode ser muito difícil encontrar apartamentos para alugar. Vale a pena neste caso andar pelo bairro conversando com os porteiros dos prédios ou donos das casas pedindo informação sobre apartamentos vagos. Deixe um cartão com seu nome e telefone para que a pessoa passe ao proprietário do imóvel, pois dificilmente alguém irá te passar o telefone do proprietário.

Na parte 2 desse texto, falamos sobre o que analisar no momento da visita ao imóvel e como se preparar para não perder o aluguel de um imóvel por bobeira; além de explicar um pouquinho sobre a documentação que geralmente é exigida para o contrato de aluguel.

Clique aqui para visualizar a “Como alugar um imóvel – Parte 2″.

About The Author

Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade de Brasília (UnB), atua nas áreas de gestão da qualidade e gestão da informação desde 2006. Interesse em gerência de projetos, gestão do conhecimento, sistemas de gestão da qualidade, biblioteconomia, restauração de documentos e (claro!) livros e literatura. Muito abrangente? É o poder do profissional bibliotecário, que funciona de A a Z.

  • http://www.agenteimovel.com.br/ Cíntia

    é mesmo imprescindível traçar um roteiro para sistematizar a escolha quando se pensa em comprar uma casa ou apartamento. definir as prioridades, ser racional e pensar a longo prazo são algumas dos passos que não podemos esquecer. estou nessa busca já há algum tempo e ler sobre o assunto ajuda bastante!
    parabéns pelo post!