Será que empreendedor é realmente apenas aquela pessoa que decide abrir uma empresa? Leia esta pequena história:

“Beto, quando ainda cursava sua faculdade de administração de empresas, escutava dos seus professores algumas palavrinhas que sempre lhe soaram mágicas: empreendedorismo e empreendedor. Ele era um entusiasta do assunto. Sempre que possível lia livros e artigos sobre o tema o que, aos poucos, o fez começar a admirar grandes personalidades empreendedoras tal como Steve Jobs e Silvio Santos.

Mas tinha um problema. Por mais que amasse o empreendedorismo, Beto não tinha nenhuma vocação para ser dono de empresa. Já havia tentado uma, duas, três vezes e por mais que tentasse, não conseguia fazer os seus negócios engrenarem.

Logo após o término da sua faculdade, já meio desgostoso com os problemas que encontrou para se tornar um empreendedor, Beto tentou ingressar em uma grande empresa, bastante reconhecida e líder no seu setor de atuação. Se preparou e conseguiu ser chamado para participar de uma seleção.

Durante a seleção, o entrevistador disparou:

– Senhor Beto, nossa empresa contrata aquelas pessoas que possuem espírito empreendedor, você possui essa qualidade?

– Beto: Sem dúvida alguma o empreendedorismo é um assunto que me atrai muito. Mas confesso que como empreendedor eu ainda não me saí bem. Tentei há alguns anos abrir minha empresa e infelizmente não deu certo.

- Admiro sua sinceridade. Eu também já tive uma empresa, mas não consegui administrá-la e ela acabou não dando certo. Porém perceba que minha realidade atual, como funcionário, não me impede de exercer meu espírito empreendedor. É o que costumo chamar de Intrapreneurs (Intraempreendedores). Isso significa que eu atuo como se fosse dono do negócio,  gerencio minha equipe imaginando que são meus funcionários e tento sempre implantar mudanças que possam fazer a diferença nos negócios da empresa. Asseguro-lhe que hoje, exercendo o papel de intraempreendedor, me sinto até mesmo mais preparado para ser dono de uma nova empresa.”

A realidade pode ser essa: é possível que qualquer pessoa goste de empreendedorismo e queira atuar nesse meio, mas também é possível que o seu lado empreendedor talvez não seja o mais adequado para ser dono de uma empresa – como é o caso do Beto – mas sim para atuar como empreendedor dentro de uma organização. Um belo exemplo pode ser visto no lendário Jack Welck, ex-CEO da General Eletric .

É interessante começar atuando como intraempreendedor para que você possa adquirir novas experiências, que serão de suma importância na hora de você abrir a sua própria empresa. Vários erros que você poderia cometer, já não acontecerão pelas experiências que já foram vividas.

É bom lembrar também que, além dos intra-empreendedores, existem também os empreendedores sociais, que são aqueles ligados ao trabalho comunitário e muitas vezes os responsáveis por diminuir os grandes problemas sociais de nosso país.

Podemos ainda destacar o empreendedorismo político (algo necessário aliás), que são aqueles com cargos políticos e mente empreendedora. É preciso que tenham visão e ao mesmo tempo ação, para que trabalhem em prol de obter melhorias em sua cidade, estado ou país.

Agora, se você quer mesmo é abrir sua empresa, ser dono do seu negócio, saiba que isso é possível. Acredito que qualquer um pode ser empreendedor, desde que esteja disposto a estudar, trabalhar e enfrentar os inúmeros desafios que virão pela frente.

About The Author

Cursando faculdade de Administração de Empresas pela FACER, atua na área administrativa e docência dentro do Terceiro Setor. Tem experiência com divulgação, publicidade, marketing Digital, docência e gestão no terceiro Setor. Também é autor do blog Liberdade Testada e Vale Empreender.