Quando a gente vai atrás do primeiro emprego e nos exigem a tal da “experiência”, é um negócio meio injusto. Mas existe uma forma inteligente de lidar com isso, uma das melhores oportunidades que você pode ter para o começo de uma carreira profissional. Não sei se hoje ainda continuam dando a mesma atenção que davam no passado, mas julgo que, se mudou, foi pouco.

Antes de começarmos a colocar a mão na massa, no caso da nossa turma, fomos submetidos a mais de 590 horas de cursos. Uma verdadeira pós-graduação em sistema financeiro e serviços bancários. Aprendi de marketing a direito, de contabilidade a relações humanas. Fora as palestras com os profissionais do banco que me contratou, que representaram uma dose de experiência prática, e dos estágios em cada uma das áreas. Aliás, foi num desses estágios em uma agência do banco que eu conheci de perto um “CDB” (clique aqui para saber o que é CDB).

Na empresa, entretanto, havia um misto de entusiasmo e ciúmes.  O entusiasmo vinha daqueles que gostavam da instituição, e que viam naqueles jovens recém formados a possibilidade de uma evolução no processo administrativo e comercial da empresa.

Os ciúmes se deviam, basicamente, pelos mesmos motivos. A diferença é que, em alguns casos, a pessoa se perguntava por que não tinha recebido o mesmo tratamento, isto é, o mesmo treinamento. De fato, seria necessário muito investimento para um treinamento daquele nível para todos os funcionários já atuantes. Outro ponto relevante é que, novamente com referência à época, o número de faculdades era muito menor do que hoje, assim como o percentual da população que tinha nível superior.

De certo modo, o investimento em um programa de trainee é altíssimo e os riscos para a empresa são elevados e seria muito ruim investir nas pessoas erradas (não estou dizendo que o investimento em mim foi bom ;) ). Por isso existe todo um processo de seleção que pode servir para que os funcionários testem a competência (e a sorte) e também como justificativa para possíveis frustrações dos que já estão na empresa e não receberam o treinamento.

Sobre a frustração do trainee, que sai do programa considerando-se um verdadeiro CEO, queria dizer, por experiência própria, que não é bem assim. A começar pelo salário, você deve cair na real e perceber que “o céu não é perto”. No que se refere à experiência, nem se fala. As relações políticas e de negócios são muito mais difíceis de aprender do que qualquer treinamento possa fornecer. Aliás, isso não é ensinado nos cursos, porque a prática é outra.

Como falei no começo, a experiência foi a melhor possível e, graças a ela, estou atuando com assuntos relacionados ao sistema financeiro até hoje.

Você quer ser trainee?

Se a sua resposta para a pergunta acima é “Sim”, você deveria conhecer o blog Programa de Trainee. Criado e mantido por Gustavo Periard, o Programa de Trainee está sempre atualizado com informações muito boas para quem está formando ou acabou de formar, e quer participar de alguma seleção de trainees em grandes empresas.

Não deixe de dar uma passadinha lá, clique aqui para conferir!

About The Author

Hoje doutor em economia pela Universidade de Brasília (UnB) e escritor, iniciou sua carreira no mercado financeiro em 1989. Foi trainee, gerente de produtos, gerente de marketing e gerente regional do segmento pessoa física de um banco privado. Trabalhou no Banco Central do Brasil, onde exerceu atividades voltadas à regulação de bancos na área de risco de mercado, derivativos de crédito, banco eletrônico, dentre outros. Além de escrever para diversos veículos de mídia, também escreve no seu blog pessoal.

Related Posts

One Response