Recentemente li um ótimo artigo no blog Dinheirama, do autor Ricardo Pereira. Ele mostra como podemos reduzir nossos gastos em um dia comum a partir de um exemplo prático e pessoal. Como gostei muito da maneira com que ele abordou o assunto, hoje vou relatar minha história de finanças pessoais.

Avalie a sua situação

Atualmente moro sozinho em uma casa cedida por um amigo. Não pago aluguel, água e nem energia. Com relação a alimentação, durante a semana o almoço é oferecido pelo meu trabalho, e no final de semana eu mesmo cozinho. A minha única despesa fixa acaba sendo a mensalidade de meus estudos. Ah, e todo mês separo uma parte do meu salário e coloco em uma poupança.

Certo domingo eu estava fazendo uma faxina em casa e resolvi que era hora de comprar um guarda roupas novo, pois o que eu tinha já era bastante antigo e desgastado. Comecei então a percorrer as várias lojas existentes aqui na minha cidade que, aliás, não são poucas. Negociei bastante com vendedores. A meu favor estava a condição do pagamento, pois ia pagar à vista, o que aumentava as minhas chances de conseguir um bom desconto na compra.

Defina sua necessidade e pesquise bastante

O guarda roupas que eu tinha em mente não precisava ser muito grande, afinal de contas moro sozinho e espaço demais a meu ver não era necessário. Na procura pelo melhor móvel, encontrei preços que variavam de R$ 230 a R$ 450. O interessante é que alguns vendedores se mostravam surpresos quando eu falava que o pagamento ia ser à vista. Para eles, de certa forma, a compra a prazo era mais vantajosa por causa dos juros inclusos nas parcelas. Aliás, em uma determinada loja, quando fui fazer a pesquisa de preço, a vendedora queria porque queria que eu comprasse a prazo. Porque será, não é?

Depois de ir a todas as lojas, a primeira que me veio à mente foi a loja que oferecia um guarda-roupa de duas portas, no valor de R$ 230. Para mim era perfeito, pois atendia minhas necessidades naquele momento. Conversando com uma amiga sobre essa provável compra, ela me disse que eu estava fazendo a compra errada. Segundo ela, futuramente eu poderia aumentar minha quantidade de roupa e o guarda-roupas não atenderia a necessidade. Percebi que eu estava olhando apenas o presente e não o futuro. Depois de refletir melhor sobre minha escolha, decidi então optar por um guarda-roupa de 3 portas.

Encontrei este modelo nos preços de R$279 e R$350. O de R$350 me pareceu melhor por causa do material, do espaço interno maior e até mesmo o estado de conservação que estava na loja. O de R$ 279, por exemplo, já estava com as portas empenadas.

A minha estratégia

Decidi ir à loja que me ofereceu o preço de R$350 e tentar conseguir algum desconto. Caso não fosse possível, a estratégia seria ameaçar comprar na concorrente, o que para muitos vendedores representa a grande derrota. Aliás, aí esta um grande segredo: alguns vendedores preferem fazer uma venda mesmo que ela esteja no valor abaixo do normal, do que perdê-la para o concorrente.

Aprender com a vivência

Observe que através deste pequeno relato, eu exercitei importantes lições de finanças pessoais.

  1. Antes de comprar qualquer coisa, pesquise. Você vai se surpreender com as diferenças de preço;
  2. Sempre tente comprar à vista. Além de ganhar um bom desconto, é um grande trunfo na hora de negociar.
  3. Antes de fechar qualquer compra, espere dois ou três dias, para refletir e conversar com amigos e parentes. Eles podem lhe dar bons conselhos, como aconteceu no meu caso.

Faça um teste você mesmo. Você verá o quanto isso irá fazer bem, tanto ao seu bolso, como ao seu conhecimento.

6 Responses

  1. Tiago

    Você comprou o guarda-roupa por quanto?

    • Rômulo Sousa

      Olá Tiago, tudo bem?, valeu ae pela sua participação…
      bem cara, fui naquela loja que vendia por R$ 350,00 como previ ela não quis baixar o preço e ameacei comprar na concorrente, o “choro” e a “pressão” foi tanta que acabei comprando por R$ 280,00 praticamente o mesmo preço de um guarda-roupa duas portas, além disso no parcelamento ele atingiria se não me engano a faixa dos R$ 400,00.
      No final, acredito eu, que acabei fazendo um bom negócio.
      Valeu

      • Ricardo Pereira

        Olá Rômulo como vai?

        Obrigado por mencionar meu texto no Dinheirama!

        Exemplos como o que relatou no post são de grande valia para os leitores. Fica claro que mesmo com o dinheiro para pagamento à vista é fundamental fazer um boa negociação.

        Grande abraço à equipe do Produzindo

  2. Felipe Rodrigues

    Muito legal você ter explanado isso aos leitores

    • Rômulo Sousa

      Valeu Felipe, como costuma dizer o Bernardo, nosso lema aqui é aprender para ensinar, e sempre tentamos colocar isso na prática aqui no produzindo, aliás qualquer coisa estamos a disposição para ajudar.
      Abraço