Quem já foi (ou ainda é) jovem, sabe o quanto é forte o apelo que a grande mídia faz em torno de vários produtos, incentivando que as empresas foquem mais nessa geração tão famosa chamada de geração Y.

Agora eu te pergunto: como nós, jovens, nos comportamos em relação ao dinheiro? A resposta é que alguns conseguem realmente administrar bem as suas economias, mas a maioria não resiste ao apelo de consumo. Afinal, são celulares, roupas, festas e baladas, e tudo aquilo que um jovem sonha em ter, não é mesmo?

Nesse cenário, infelizmente é comum conhecermos amigos que vivem passando por “perrengues”. Alguns se encontram em tal situação que é necessário a intervenção da família. É bem provável que você conheça algum caso assim. Eu conheço.

Outro grande problema é quando o jovem escolhe um determinado rumo para a sua vida, um rumo que implica em despesas fixas e não previstas. E por não tê-las previsto ou não saber administrá-las, acaba gastando mais do que deveria. A faculdade, por exemplo, gera vários gastos. São livros, apostilas, moradia (se, como eu, você decidir estudar em outra cidade), participação em congressos e feiras da sua área, etc. E esses custos geralmente aparecem independente da sua faculdade ser pública ou particular.

Um outro exemplo é o casamento. Hoje-em-dia é grande o numero de casais jovens, e é grande também o numero de divórcios (que muitas vezes acabam impulsionados por uma crise financeira do casal). Há também inúmeros casos de jovens que optam em encarar a vida morando sozinhos, alguns casos até mudando de cidade.

Agora pare e observe a quantidade de gastos fixos que existem apenas nesses poucos exemplos que citei… Estudo, moradia, agua, luz, telefone, alimentação, material de estudo, transporte, e por aí vai. Esses gastos (e diversos outros) não podem ser esquecidos, pois se forem mal administrados, podem acabar trazendo muita dor de cabeça.

Ao contrário do que muita gente imagina, manter uma boa saúde financeira não implica em perder as coisas boas da vida e nem abdicar de seus sonhos profissionais. É possível que você mantenha um equilíbrio e para isso basta que repense o seu comportamento e atitude perante aos seus gastos. Para facilitar um pouco a sua vida, deixo aqui três dicas simples (mas muito eficazes):

  1. Comece a anotar todos os seus gastos durante um mês, dos menores aos maiores. Ao final, você terá uma listagem de quanto, aonde e com o que gastou para que seja possível analisar se há ou não a necessidade desse tipo de gasto. Assim, no próximo mês você poderá diminuir ou eliminar um gasto que você considera supérfluo, mas que está sempre lá (cá entre nós, no universo jovem os gastos supérfluos são muito comuns, não é mesmo?).
  2. Coloque em prática a teoria do “pague-se primeiro” que se consiste basicamente em todo mês você tirar uma determinada quantia do seu salário deixar guardada. Encare essa idéia como se fosse uma dívida, sendo que o credor será você mesmo.
  3. Por ultimo, invista seu dinheiro. Comece com coisas pequenas, uma poupança por exemplo. Depois, conforme a sua renda for aumentando, diversifique em outros investimentos, tal como títulos públicos ou CDB’s.

Se você quer mudar as suas economias para a melhor, comece a colocar em prática estas pequenas dicas. Em pouco tempo você já vai sentir uma diferença no seu bolso. Saiba ainda que para isso dar certo, você deve querer mudar de atitude na sua vida. Afinal, só com uma certa organização você vai conseguir aproveitar bem a vida sem precisar passar por aquela sensação de estar sem dinheiro ou cheio de dividas.

About The Author

Cursando faculdade de Administração de Empresas pela FACER, atua na área administrativa e docência dentro do Terceiro Setor. Tem experiência com divulgação, publicidade, marketing Digital, docência e gestão no terceiro Setor. Também é autor do blog Liberdade Testada e Vale Empreender.

3 Responses

  1. Felipe Rodrigues

    Finalmente um aritgo voltado para jovens! E realmente é isso, nossos principais gastos são com baladas, roupas e acessórios. Mas com o controlo de lfuxo de caixa e as dicas, nas quais eu já pratico, realmente funciona!

  2. Rômulo

    Valeu Felipe, é isso ae cara, com um certo controle e colocando em prática as dicas do post, concerteza o jovem terá muito mais dinheiro e condições para alcançar seus objetivos.
    E fique atento, pois logo logo, vou publicar um artigo especial voltado para a geração Y, o primeiro aqui do blog também.