Por Rômulo Martins (Empregos.com.br)

Que o bom profissional precisa ter conhecimento técnico, estar alinhado às competências comportamentais valorizadas pelo mercado e antenado nas tecnologias e tendências na área de atuação você já sabe. Agora, segundo uma pesquisa realizada em 20 países (incluindo o Brasil) pela consultoria alemã Trendence e publicada recentemente na revista Época, as empresas querem mais dos jovens recém-formados.

O estudo diz que além de todos os requisitos exigidos pelo mercado, daqui em diante a geração high tech deve ter “personalidade”. O fator foi considerado mais importante que “competências” (saber ser prático) e “conhecimento” (teórico). O Brasil está em terceiro lugar no quesito “personalidade”.

A pesquisa também traz outros dados importantes. Dentre os 20 países participantes, o Brasil aparece em primeiro no item “mostrar flexibilidade” (70%) e em terceiro na opção “ser capaz de atuar em equipe” (76%).

Ainda de acordo com o levantamento, entre as 19 qualidades necessárias para o sucesso as empresas brasileiras consideram mais importantes: liderança, habilidade para tomar decisões e ética. Visão holística e espírito empreendedor também foram apontados como características essenciais.

“As relações de trabalho mudaram, e o mercado aponta para uma crescente valorização das características comportamentais”, diz Paula Souto Sanches, analista de carreira da Veris Faculdades, do Grupo Ibmec Educacional. Segundo Paula, as mudanças são puxadas pelo acesso à universidade e pela competitividade do mercado.

“Nas últimas etapas de um processo seletivo observamos que os candidatos possuem praticamente o mesmo nível técnico. Daí a necessidade de o profissional desenvolver suas características comportamentais como diferencial em um mundo cada vez mais competitivo.”

Pronto para o mercado

Pesquisa da Trendence revela também que os jovens recém-formados precisam melhorar os seguintes pontos:

falta de experiência profissional e conhecimento prático;
baixa capacidade de adaptação ao ambiente de trabalho;
habilidades sociais, atitude e etiqueta no trabalho.

Fábia Barros, gerente de desenvolvimento da Foco Talentos, afirma que a melhor forma de aprender a usar a personalidade a favor da carreira e de adequar o comportamento à realidade do universo corporativo é participando de projetos profissionais ainda durante a formação universitária. “É preciso sair da mesmice da faculdade, envolver-se em trabalhos voluntários, empresas juniores, estágios, realizar cursos complementares.”

Segundo Fábia, identificar modelos de lideranças e trocar experiências com estes e outros profissionais da área são, da mesma maneira, importantes para começar bem a carreira. “Ative o networking desde já”, recomenda.

About The Author

Este texto foi escrito por um autor convidado. Você pode encontrar mais detalhes sobre ele (ou ela) ao final de cada texto. Se você também quer ter seus textos publicados por aqui, acesse a página "Escreva para o Produzindo.net" e saiba como você pode compartilhar suas idéias com nossa comunidade!