Trabalhamos 8 horas por dia, de segunda a sexta feira (para alguns, sábados e domingos também inclusos), somos pressionados a entregar resultados, alcançar metas, estudar e se aperfeiçoar cada vez mais. Fazemos isso tudo e muitas vezes ainda somos assombrados pelo risco de ficarmos desempregados.

Curso de pós-graduação aqui, reuniões com funcionários ali, e assim vai nosso dia-a-dia. O tempo escorre à frente de nossos olhos de forma tão rápida, que quando paramos para perceber, já estamos com 40, 50, 60 anos de idade olhando para trás e vendo que não realizamos nenhum grande sonho, pois estávamos ocupados demais seguindo as regras do mundo moderno.

Qual é o seu maior sonho? Ser rico? Ser um grande profissional? Viajar para algum lugar do mundo? Você já parou para pensar que um sonho pode ser mais do que isso? Existem tantas pessoas hoje que são ricas e bem sucedidas, mas não são felizes, pois não tem prazer em viver.

As vezes eu paro um pouco e procuro observar tudo o que está acontecendo ao meu redor, e o que percebo são pessoas correndo contra o relógio, seguindo a mesma rotina de sempre, enfrentando o stress que já se tornou natural e ganhando uma boa dose das doenças modernas. Podemos ser mais do que isso, e acredite, esse artigo não é nada motivacional, é apenas um reflexo da realidade que nos cerca e que poucos percebem.

A correria é tanta que deixamos de perceber a beleza que há nas coisas mais simples. Como o escritor Rubem Alves disse, deixamos de ver a poesia que existe nelas, como o sorriso de uma criança, o almoço com a família, o doce aroma e sabor de uma comida bem feita, o cair da chuva que alimenta as plantas e as árvores numa tarde de sábado. Você para apreciar esses pequenos prazeres?

Materialismo, consumismo e individualismo são apenas algumas das palavras que reinam em nossa sociedade. Nos tempos da minha avó, quando não se tinha televisão nem computador, à noite fazia-se uma roda no quintal da casa, acendia-se uma fogueira no centro, e contávamos histórias, casos, piadas e contos. Ali podíamos ver o espírito da amizade, do entrosamento, do saber calar e saber ouvir. E hoje, o que vemos? Uma família inteira sentada no sofá com olhos vidrados na televisão assistindo a novela das 8, ou então Big Brother, A Fazenda ou qualquer outro reality show. Se não é a televisão, temos um pai vidrado na internet acompanhando a cotação da bolsa, a mãe trabalhando em relatórios no seu notebook e o filho jogando GTA no Playstation querendo zerar o jogo a qualquer custo.

Se a realidade te assusta um pouco como me assusta, pare e reflita: este é o sonho que você deseja que se torne realidade? Nos acostumamos com uma sociedade banalizada que sonha apenas com dinheiro. Mas convido-o a pensar diferente, a sonhar diferente. Ao invés de planejar comprar aquele carro da “moda”, planeje fazer mais amigos, fazer o bem para pessoas carentes, ser mais tolerante, mais paciente, etc.

Os bens materiais nos proporcionam alegrias, mas procure alcançar mais do que apenas as coisas materiais. Não precisamos seguir a risca tudo que o mundo nos impõe, podemos escolher caminhos diferentes e, como os antigos, dedicar mais tempo para nossa família e amigos, podemos escutar mais nossos filhos falarem sobre o seu dia na escola, podemos fazer uma caminhada no parque e ao mesmo tempo observar as belezas que a natureza nos dá de graça. Sim, nós podemos ser felizes e alcançar nossos sonhos. Só precisamos ser diferentes, só precisamos sonhar diferente.

About The Author

Cursando faculdade de Administração de Empresas pela FACER, atua na área administrativa e docência dentro do Terceiro Setor. Tem experiência com divulgação, publicidade, marketing Digital, docência e gestão no terceiro Setor. Também é autor do blog Liberdade Testada e Vale Empreender.

9 Responses

    • Antonino Marcato

      Alívio. Tem gente que sente a mesma coisa. Não sou um ET… e deve ter muito mais gente, perdida em financiamentos, trabalho duro, mentes ocupadas e corações endurecidos…
      Obrigado pelas boas palavras!
      Antonino

      • Rômulo Sousa

        Valeu Antonino, hoje devemos ter o equilibrio entre as coisas, o trabalho é importante, mas devemos nos focar no nosso bem estar também, o que adianta por exemplo ganharmos muito dinheiro, se não estamos bem com nós mesmos?…
        Obrigado pelo comentário
        Conte sempre com o produzindo.net

  1. Alexandre Kucarcz Cordeiro

    Olá Rômulo! Parabéns pelo artigo! É isso mesmo que ocorre com as pessoas atualmente. Todos preocupados em correr contra o tempo para não ficar para trás. Acho que devemos viver a vida de forma simples e organizada. Muitas vezes não vejo a necessidade de fazer mais uma faculdade, pós, doutorado, curso de linguas, bá, bá, bá… Pois acredito que devemos fazer menos melhorando a qualidade e organizando o nosso tempo.
    Att,
    Alexandre K. Cordeiro
    http://twitter.com/criadorsites
    http://www.criadorsites.com

  2. Karine Borges

    Rômulo,
    Meu caro …
    Tirando a palavrinha do início o texto “assombradoprs” concordo que vivemos uma vida muito corrida e não deixamos tempo para aproveitar daquilo que realmente faz sentido.
    Penso que temos sim que trabalhar, para realizar nossos sonhos materiais… Mas dinheiro nenhum é capaz de comprar as coisas que de tão pequenas talvez passam despercebidas no nosso dia a dia, e quando nos damos conta, o tempo já passou.
    Não podemos deixar de viver um tempo dedicando a família, ao namorado (a)/marido/esposa… Tem certas coisas que não precisam de dinheiro para nos deixar feliz. Talvez temos que ter apenas o suficiente para ter uma vida controlada. Tudo que é de mais passa!!

    Um abraço!

  3. Fabio Faria

    Pode parecer contraditório eu ter um site chamado dinheiro etc (http://dinheiroetc.com.br) e admirar muito o conteúdo deste post. Mas a leitura me levou a refletir. Em muitos casos, o sonho do dinheiro está ligado à independência financeira e consequentemente à liberdade para empregar o tempo como bem se entende. Até aí tudo bem. O problema é quando a solução se torna o objetivo final, e lembramos apenas que desejamos o dinheiro, esquecemos o porquê. Boa reflexão, parabéns pelo artigo!

    • Rômulo Sousa

      Olá, Fabio, fico feliz pelas suas palavras, são pessoas como você que nos motivam aqui a escrever textos assim, que provocam a reflexão e que acima de tudo, faça a diferença na vida dos leitores do produzindo.
      Abraço e Obrigado

  4. Marcello Dundi

    Olá Fábio, muito válida sua análise de como muitos ainda não entendem que tudo o que “passamos” durante a vida, nada mais é que Lei de Sobrevivência.