Cauda Longa?! Afinal, o que é isso!? Bom, pra entender o tema é necessário voltar um pouco no tempo para o período em que se popularizou a internet.

A internet surgiu em um estágio (conhecido hoje como a web 1.0) aonde somente pessoas que possuíam conhecimentos técnicos na área de informática tinham a possibilidade expor suas idéias e conhecimentos. Nada de blogs e redes sociais. A única ferramenta de troca de informações entre pessoas era o e-mail e alguns poucos fóruns. Os sites muitas vezes eram peças estáticas.

Ao longo do tempo surgiram ferramentas de diálogo, tal como o ICQ, mIRC e MSN Messenger. Na década de 90, principalmente da sua metade para o final, esses aplicativos fizeram com que as pessoas tivessem mais facilidade para trocar informações na internet. Assim começavam a ser criadas as primeiras comunidades virtuais, as quais as pessoas começavam interagir entre si. A partir daí, essa interação foi evoluindo, principalmente com o nascimento dos sistemas de blogs (Blogger e WordPress), fóruns e com as primeiras redes sociais. Nascia também um novo olhar crítico sobre as tecnologias utilizadas na internet.

Essa nova perspectiva do internauta fez com que as empresas começassem a buscar se diferenciar no mundo virtual em busca do seu público consumidor. Para isso, foram feitos grandes investimentos no desenvolvimento de novas tecnologias e conceitos, e assim a internet começou a se tornar uma mídia de produção colaborativa. Agora as pessoas podiam expor seus pensamentos e conhecimentos, e faziam isso em conjunto. Esse é o panorama da web 2.0: um mundo virtual formado e criado por pessoas dos quatro cantos do mundo.

Teoria da Cauda Longa matando o Princípio de Pareto?

O Princípio de Pareto, também conhecido como regra do 80/20, é uma regra que diz que em vários tipos diferentes de eventos, 80% do resultado é gerado por apenas 20% da sua causa. Muita gente usou esse princípio aplicado às finanças da sociedade falando que apenas 20% das pessoas possuíam 80% da riqueza disponível. Ao meu ver, isso já é apenas uma tentativa de justificar a má distribuição de renda nessa sociedade.

Trazendo o conceito desse princípio pra um panorama mais atual, podemos tirar que as empresas costumam ter 80% de seu faturamento advindo de apenas 20% da sua cartilha de produtos. Uma loja de artigos específicos do Sport Club Internacional (meu time do coração) lucra com todos os produtos que vende, mas o carro chefe são suas camisetas oficiais. Sendo assim, a loja não pode se dar ao luxo de ter um estoque igual para todos os produtos e sim customizar o estoque conforme a demanda esperada.

Porém, o ex-editor da revista Wired, Chris Anderson, criou uma nova teoria chamada teoria da Cauda Longa. Chris acredita que o que faz as pessoas lucrarem na internet é a diversidade de produtos que elas disponibilizam para venda, e não a venda abundante de uma única determinada linha. Isso hoje é possível porque nem sempre há a necessidade de se manter um estoque, é possível fazer as encomendas conforme as demandas vão chegando.

Tendo esse conceito em mente e visto que hoje há uma enorme quantidade de comunidades virtuais dispostas a consumir, é possível largar na frente da concorrência oferecendo algo que eles não pode oferecer em suas lojas físicas. Belos exemplos disso são lojas de artesanato e a loja virtual Amazon, que possui uma prateleira com milhares de produtos, mesmo não os tendo no estoque.

E então, você concorda com a teoria da Cauda Longa ou acredita mais no Princípio de Pareto aplicado? Deixe um comentário logo abaixo e compartilhe conosco as suas idéias!

About The Author

Graduando em Relações Públicas pela UFRGS, trabalhou por dois anos na assessoria de comunicação da CAIXARS, com foco em relacionamento com a imprensa e comunicação interna. Hoje atua como produtor de conteúdo da EZUK Mkt Internet (Porto Alegre) e desenvolve trabalhos externos na área de desenvolvimento de conteúdo, estratégias de marketing digital e planejamento de comunicação. Além disso, é editor do blog Tiro-Livre.

  • http://blog.tucaz.net tucaz

    Na verdade, Chris Anderson diz que os não hits, ou seja, 99% dos produtos no mercado estão começando a acompanhar os hits nas vendas e isso só é possível porque o custo de armazenagem desses items (geralmente arquivos digitais) é perto de 0 ou porque esse custo é repassado pra um pequeno produtor que revendo seus produtos em diferentes participantes dessa cauda longe.

    Esse crescimento também se deve ao fato de que agora é muito mais fácil (com a internet social) encontrar produtos de nicho que não estejam sendo expostos em todas as prateleiras. Antigamente, sem Twitter, sistemas de recomendações, Orkut, etc era praticamente impossível descobrir produtos especificos, pois estes não chegavam aos grandes varejos.