Você já deve ter muito ouvido falar de fundos de investimento, mas você sabe o que são e como eles funcionam? É muito fácil encher você de definições, mas acho que mais importante é que o funcionamento das coisas seja entendido. Para isso, vou contar com ajuda de uma historinha.

Entendendo os fundos de investimentos

Imagine que um amigo seu entenda muito de restaurantes e que você queira participar do negócio. Imagine também que para você participar, haja uma a condição de nunca passar nem pela porta do estabelecimento, já que você não tem a menor noção de como os restaurantes são administrados. Suponha ainda que o dinheiro que você tem seja insuficiente para montar o restaurante e que você precise de outras pessoas com dinheiro também.

“Calma aí! Este é o conceito de uma sociedade empresarial!”

Quase… Veja que em um fundo há coisas que funcionam exatamente como em uma sociedade. As pessoas que colocam o dinheiro (sócios) sãos os chamados cotistas. O seu amigo que entende do negócio é o administrador (o termo é igual tanto no fundo quanto na empresa). O que você ganha é parte do dinheiro que o fundo proporcionar, tal qual na empresa. Seu ganho será proporcional ao que você investiu, em comparação com os outros investidores (sócios).

Escolhendo o fundo de investimento ideal

Muito bem, chegamos até aqui e você já tem ideia do que é um fundo. Mas quais são os principais pontos que eu devo observar ao escolher um fundo de investimento para investir meu dinheiro? Ora, as mesmas coisas que você observa quando pensa em abrir uma empresa. Ou quase.

O primeiro ponto é o tipo de negócio no qual seu dinheiro será investido. Você hoje compraria ações de uma empresa de fabricação de filme para máquina fotográfica? Lembre-se que as câmeras digitais vendem cada vez mais e que os negativos são coisas muito raras nos dias de hoje.

Outro ponto que deve ser considerado é a relação entre o quanto o administrador cobra e o serviço que ele presta. O principal serviço de um administrador é o de gerar rentabilidade e de fazer alguma coisa para a qual você não tenha aptidão ou conhecimento para fazer sozinho. Você pagaria a alguém para “administrar” uma conta de poupança? Não é necessário, não é mesmo? Pois é, tem gente que cobra. Pior: há quem pague por isso.

Em linhas gerais, a idéia é essa: uma forma de investimento que agrega recursos de várias pessoas que têm o interesse de investir em um determinado setor da economia, seja ela real ou financeira.

Você gostou dessa história e quer aprender um pouco mais sobre o assunto? No meu blog você pode encontrar mais sobre fundos e sobre investimentos.

About The Author

Hoje doutor em economia pela Universidade de Brasília (UnB) e escritor, iniciou sua carreira no mercado financeiro em 1989. Foi trainee, gerente de produtos, gerente de marketing e gerente regional do segmento pessoa física de um banco privado. Trabalhou no Banco Central do Brasil, onde exerceu atividades voltadas à regulação de bancos na área de risco de mercado, derivativos de crédito, banco eletrônico, dentre outros. Além de escrever para diversos veículos de mídia, também escreve no seu blog pessoal.