Existem diversos conselhos profissionais por aí. OAB, CREA, CRM, CRB, são tantos… Mas você sabe para que eles realmente servem?

Somente agora, depois de 3 anos de formada, é que eu fui dar entrada no meu pedido de registro no Conselho Regional de Biblioteconomia. Apesar de me lembrar vagamente que há tempos atrás eu assisti alguém do conselho dando uma palestra sobre o tema deste post, com toda sinceridade, até pouco tempo atrás eu me revoltava por ter que pagar uma taxa pra um conselho “que não faz nada por mim”.

duvida-01Essa semana, após pagar a minha taxa proporcional ao tempo de serviço (só assinaram minha carteira profissional como bibliotecária em setembro deste ano, então a taxa ficou pequenininha), resolvi investigar quais são as reais funções desses “caras do conselho” pra começar a brigar pelos meus direitos. Afinal, como diz a Lady Kate, “TÔ PAGAAAANDOO”.

E qual não foi a minha surpresa ao descobrir que o conselho não existe pra me ajudar. A função do conselho não é lutar pelos meus direitos de bibliotecária. Por isso que eu sempre disse que eles não iam me ajudar em nada. Eles não são pagos (por mim) pra isso.

“Mas afinal, para que é que os conselhos existem?”

Os conselhos profissionais são também conhecidos como Conselhos de Fiscalização das Atividades Profissionais.

A função primária dos Conselhos Profissionais é defender a sociedade dos maus profissionais. É claro que, indiretamente, isso é uma defesa aos bons profissionais. Fiscalizando a atuação dos profissionais e das instituições, os bons profissionais recebem a garantia de não precisar conviver profissionalmente com os profissionais anti-éticos, por exemplo.

Também cabe ao conselho, por exemplo, redigir e fiscalizar a utilização do código de ética profissional e o juramento profissional.

Percebem? O foco não é no profissional e sim no cliente. Independente da nossa preocupação (ou não) com o cliente em nossas atividades, o Conselho Profissional é a ferramenta imparcial que as fiscaliza.

Só então eu entendi que a defesa da categoria que cabe aos sindicatos. É claro que em Brasília, aonde eu moro, não existe um sindicato dos bibliotecários. Paciência. Mas não é por isso que o Conselho irá absorver outras funções que não lhe cabem.

About The Author

Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade de Brasília (UnB), atua nas áreas de gestão da qualidade e gestão da informação desde 2006. Interesse em gerência de projetos, gestão do conhecimento, sistemas de gestão da qualidade, biblioteconomia, restauração de documentos e (claro!) livros e literatura. Muito abrangente? É o poder do profissional bibliotecário, que funciona de A a Z.

12 Responses

  1. flavia

    Cara colega Talita..
    Li seu posicionamento sobre os Conselhos e como bibliotecária e conselheira do CRB 8, só tive a dimensão de um Conselho a medida que participei de algumas gestões e tambem como presidente da Associação dos Bibliotecários MunicipaIs de sp… na verdade os Conselhos das profissoes regulamentadas – como nós – existem para proteger nossos direitos contra pessoas que não honram e diginificam, a começar por si mesmos como pessoas e depois como profissionais e nós que trabalhamos dentro do CRB 8, ficamos abismados como que certo colegas agem … ..e maus profissionais existem em todas as profissões e não cabe aos Sindicatos entrarem nessa seara…encerrando, proponho que voce entre em contato com a ABDF, ou mesmo com o CRB1… conheça os profissionais que estão lutando a seu favor, que tenho certeza, alem de bibliotecária, você é uma pessoa nota mil.
    Abraços de
    Flávia S.Lobo

    • Talita James

      Então, Flávia… A questão é justamente essa. Os profissionais não entendem a função fiscalizadora do conselho, e tentam atribuir funções como definição de piso salarial a eles, por exemplo. Função que deveria ser realizada pelos sindicatos e associações. Consegui aprender que a função do Conselho é muito maior do que o que é popularmente divulgada. Parabéns por atuar no CRB! Hoje posso dizer, com certeza, que o trabalho de vocês não é nada fácil.

  2. Jorge Dotti Cesa

    Talita, sua preocupação e manifestação sobre os Conselhos é interessante. Importante ressaltar o que você mesmo diz, ou seja, que ao fiscalizar o exercício profissional, os Conselhos estão sim defedendo os interesses dos bons profissionais e evitando o exercício ilegal da profissão, garantindo mercado de trabalho. Já aqueles interesses relacionados às suas relações de trabalho são objeto de defesa por parte dos sindicatos, que também fazem (pelo menos os bons sindicatos) um importante trabalho de valorização profissional. Por tudo issi, vale a pena ser registrada (obrigatóriio) e ser associada do seu sindicato (opcional). Um abraço. Jorge

    • Talita James

      Vale muito a pena mesmo o registro, Jorge. Depois que aprendi a função do conselho tenho falado com várias amigas bibliotecárias sobre a importância de registrar-se e acompanhar a ação do conselho.

  3. Daniel

    E então a ação deles é qual, diante daqueles que agem de forma não-profissional???

    • flavia

      olaaa.. os Conselhos, após formalização de denuncia, abrem um processo ético, no qual o profissional tem amplo direito a defesa… tudo é feito dentro das normas éticas…mas é importante mecanismo conscientizador da importancia do proceder dentro das normas..
      vc é bibliotecario?se for, parabens, pois nós biblios temos que viver em permanente duvida, atras do conhecimento…
      Flavia

  4. Carlos

    Na realidade os conselhos não servem para nada, pois: 1) não punem os maus profissionais (basta folhear os jornais e ver que péssimos profissionais nem são punidos); 2) não defendem a sociedade. Já tentou fazer uma representação de um mau profissional em um conselho? e, 3) Só servem para arrecadar e dar "status" para seus presidentes e diretores que ficam o tempo todo comendo, viajando e fazendo nada às custas dos valores arrecadados compulsoriamente.

    • Talita James

      Carlos, não concordo contigo. Não sei o conselho da tua profissão, mas o CRB-1 tem uma ação fiscalizadora bem efetiva aqui em Brasília. Já tive conhecimento de algumas denuncias que foram sim averiguadas pelo conselho, com a maior seriedade. Alguns profissionais até "tremem nas bases" quando ouvem falar em "visita do CRB". Geralmente são os profissionais não registrados e que atuam denegrindo a imagem profissional da categoria. Acho que vale a pena você marcar uma visita ao seu conselho profissional e acompanhar os projetos em andamento. E é claro, sempre existe a possibilidade de montar uma chapa para as próximas eleições do conselho e tentar melhorar a situação.

  5. Ana Paula

    Olá,
    Gostaria de salientar que a OAB tem natureza de autarquia federal, o que implica em uma série de mudanças a respeito de seu relacionamento jurídico para com os advogados.
    Abraço,
    Ana Paula

  6. Alexsandro Amaral

    Todas as profissões que existem no Brasil são regulamentadas em lei. Isso quer dizer que existem Autarquias que fiscalizam cada uma delas. No próprio estudo do curso, existem um módulo cuja função é explicar, aos futuros profissionais daquela área, qual a finalidade das Autarquias.